Browsing: André

A equipe da secretaria de Assistência Social de Bacabal está desenvolvendo ações de conscientização contra o suicídio. As ações fazem parte da campanha Setembro Amarelo.

Na manhã desta terça-feira (18) os beneficiados com a campanha foram os moradores de rua que são atendidos no Centro Pop, centro de referência especializado para atender pessoas vulneráveis que vivem nas ruas.

A equipe da secretaria de Assistência Social ofertou um café da manhã, com a realização de palestra sobre o tema. Segundo a psicóloga Greicy Sousa os dados da Organização Mundial de Saúde  apontam que “mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos, sendo 75% desses indivíduos moradores de países de baixa e média renda. Estima-se que no mundo acontece um suicídio a cada 40 segundos. Hoje nós estamos aqui para conscientizar essas pessoas a fim de que possamos amenizar essa estatística, conscientizando sobre o valor da vida”.

Walter Silva, um dos atendidos ficou muito satisfeito: “A palestra foi muito gratificante, antes não tinha essas palestras, uma coisa bem feita e nós so temos a agradecer. Estamos no mês que devemos ficar atentos a tudo que está acontecendo, principalmente as pessoas que estão em estado de desespero, então é uma coisa que deixou a gente em estado de alerta”.

Para Leandro Fontenele, Coordenador do Centro Pop “A importância do setembro amarelo é principalmente prevenir o suicídio, especificamente o publico em situação de rua que nós temos aqui no centro, pessoas que estavam vulneráveis também quanto ao tema e que hoje receberam a orientação sobre o assunto”.

Palestra no CRAS

Na segunda-feira (17) a campanha Setembro Amarelo foi implementada pelas servidoras do CRAS do bairro Juçaral. A efetivação das ações é feita em reuniões com pessoas da comunidade e a ministração de palestras de conscientização.

Assecom Bacabal.

Por Eliane CantanhêdeO Estado de S.Paulo

Apesar dos xingamentos pelas últimas colunas, elas estavam corretas: o segundo turno está sendo antecipado e por uma disputa voto a voto entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad, o que caracteriza ou a chegada da extrema direita ou a volta do PT ao poder. O eleitorado de Bolsonaro e de Haddad é bastante diferente. Enquanto o capitão atinge 41% com renda familiar mensal acima de cinco salários mínimos, o petista dispara de 10% para 27% entre os que têm renda de até um mínimo. A curva dos dois também se cruza quando se fala em escolaridade. Enquanto Bolsonaro sobe de 29% para 36% entre os mais escolarizados, Haddad pula de 6% para 24% entre os menos escolarizados. Grosso modo, um é preferencialmente candidato dos “ricos com diploma” e o outro, dos “pobres e mais ignorantes”.

A pergunta é se Bolsonaro e Haddad bateram ou não no teto. Se é para apostar, a resposta é não, pois o candidato do PSL sobe de pesquisa em pesquisa e, com 28%, logo bate 30%. E Haddad, que deu salto de 11 pontos, ainda está com 19%, bem longe do porcentual de Lula com sua candidatura fake. O resultado prático do Ibope é que o PT já despacha emissários para os partidos adversários, especialmente PDT de Ciro, PSDB de Alckmin e MDB de Meirelles, em busca de compromissos e apoios no segundo turno. E, obviamente, no governo.

O segundo turno é uma segunda eleição, com tempo de TV igual, busca de alianças e embate cara a cara entre os candidatos. Isso tudo fará diferença, até porque, pelo Ibope, o segundo turno está ainda mais indefinido do que o primeiro foi durante todos esses meses, com empate entre Bolsonaro e Haddad. Mas uma coisa é certa: vai ser uma guerra entre petismo e antipetismo.

Informações diversas podem ser obtidas por meio de assistentes virtuais instalados no microblog Twitter (@TSEjusbr) e no Facebook Messenger (@TSEJus)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) usa intensamente as redes sociais para se aproximar cada vez mais do eleitor, criando canais alternativos de comunicação com seu público. Por meio de assistentes virtuais instalados no microblog Twitter (@TSEjusbr) e no Facebook Messenger (@TSEJus), os usuários das redes podem obter informações sobre candidatos a todos os cargos em disputa, consultar sua situação eleitoral, obter certidão de quitação eleitoral, verificar o local de votação e o número do título de eleitor, falar com o TSE e acessar um banco de dúvidas frequentes.

Basta que o eleitor acione o botão de mensagem. No Twitter, as opções já aparecerão instantaneamente quando esse botão for acionado. Já no Facebook Messenger é preciso que o usuário inicie qualquer diálogo, como um simples “olá”, para que a interação seja iniciada. O diálogo é travado com assistentes virtuais, conhecidos como “chatbots”, mecanismos de inteligência artificial preparados para responder a mais de 50 diferentes perguntas sobre o processo eleitoral.

Ao consultar a situação eleitoral de determinado candidato, o usuário terá acesso a seu número, seu plano de governo e sua situação da candidatura. Se quiser uma informação mais completa, o usuário é direcionado ao sistema DivulgaCandContas, e poderá inclusive consultar a prestação de contas.

Aplicativo para os mesários

A tecnologia também é utilizada pelo TSE para se comunicar com os quase dois milhões de mesários que trabalham como voluntários nas eleições de outubro. Por meio do aplicativo Mesário para as Eleições 2018, o TSE oferece uma ferramenta com instruções e orientações para complementar o treinamento oferecido a esses colaboradores. O App existe desde o pleito de 2016 e reúne informações para quem foi convocado ou se voluntariou para trabalhar nas eleições.

Dúvidas são esclarecidas com facilidade na opção “E se acontecer?”, que indica o caminho de acesso para conteúdos on-line e off-line, como manuais e vídeos de treinamento. O aplicativo poderá ser usado nas seções que têm ou não urnas com identificação biométrica e, após as eleições, a Justiça Eleitoral receberá feedback dos mesários por meio de um formulário disponibilizado no aplicativo. No site do TSE, há ainda o Canal do Mesário.

Mobiliário urbano

Uma parceria do TSE com o Twitter e com a empresa Otima, de mobiliário urbano, está permitindo, desde o dia 4 de setembro, a reprodução de conteúdo postado pelo perfil do TSE no Twitter (@TSEjusbr) em totens localizados em 35 locais nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. As informações priorizam conteúdo de prestação de serviço ao eleitor, dados históricos das eleições e curiosidades sobre o processo eleitoral. A ação por meio de mobiliário urbano será mantida até o dia do pleito.

VP/RR

Documento garante acesso a passagens interestaduais gratuitas ou com desconto.

BRASÍLIA – Pessoas com mais de 60 anos que não tenham como comprovar renda individual de até dois salários mínimos têm direito a desconto em passagens de ônibus interestaduais. Esse direito é instituído pelo Estatuto do Idoso e garantido pelo uso da Carteira do Idoso. Isso significa que qualquer cidadão que se encaixe nesses critérios pode portar e apresentar a carteira do idoso para obter gratuidade ou pagar menos para viajar de ônibus.

“Isso significa garantir às pessoas idosas de baixa renda uma série de direitos que vão muito além do direito básico de ir e vir. Por exemplo, ela pode ter a oportunidade de conviver com pessoas da família que vivem distante ou de fazer um tratamento de saúde que seja necessário em outra cidade ou estado”, destaca a Secretária Nacional de Assistência Social do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Maria do Carmo Brant. Confira, abaixo, como obter o documento:

  1. Estar inscrito no Cadastro Único

Para que o idoso tenha uma carteira emitida em seu nome, ele precisa estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, sistema do governo federal que identifica e caracteriza famílias de baixa renda. A partir dessa inscrição, o idoso vai contar com um Número de Identificação Social (NIS), necessário para acessar diversos serviços do governo. Clique aqui para saber mais sobre como funciona o Cadastro Único, como se inscrever e a quais programas ele dá acesso.

  1. Solicitar a carteirinha no Cras

O segundo passo é ir até o Centro de Referência da Assistência Social (Cras) mais próximo. É lá, inclusive, que a inscrição no Cadastro Único será feita, caso o idoso ainda não esteja no sistema. Uma vez que a inscrição for feita, os atendentes do Cras vão gerar a Carteira do Idoso a partir do Número de Identificação Social (NIS).

Atenção para a documentação

Se o cidadão já estiver inscrito no Cadastro Único, basta apresentar o cartão com o NIS. Se não, para se inscrever no sistema são necessários alguns documentos. Clique aqui para conferir quais são eles.

  1. Buscar a carteirinha no Cras

O cidadão já poderá contar com a carteira do idoso definitiva após 90 dias corridos após a solicitação. Porém, não é necessário esperar tanto tempo para usufruir dos direitos garantidos pelo Estatuto do Idoso: enquanto a carteira não é emitida, o Cras onde a solicitação foi feita pode fornecer uma Declaração Provisória com prazo de validade de até 180 (cento e oitenta) dias. (Portal Brasil).

Cícero Pereira da Silva Júnior, o ‘Júnior Recife’, de 28 anos de idade, foi detido e apresentado no plantão da delegacia de Bacabal na noite deste sábado (15).

Meia do Boa Vontade, equipe que disputará a segunda divisão do Campeonato Maranhense de futebol, ele é suspeito de furtar em torno de 10 aparelhos celulares do interior do imóvel utilizado como sede, no bairro São Francisco.

Segundo José Leite, coordenador da equipe, o jogador é natural de Pernambuco onde teria passagens por grandes clubes, porém, por ser viciado em álcool e drogas, estava sem atuar e ganhou uma nova chance. Entretanto, por atos de indiciplina foi mandado embora.

Na sexra-feira (14) ao retornarem do treinamento os demais atletas deram por falta de seus celulares, logo, a suspeita de todos recaiu sobre ””Junior Recife’.

O jogador nega a autoria do furto.

Boa vontade

O Esporte Clube Boa Vontade é um clube de São Luís, fundado em 6 de junho de 1957, portanto, com 61 anos de existência.

Esse ano resolveu sediar em Bacabal, no Estadio Correão, seus jogos pela segunda divisão do estadual. (Por Sergio Matias).

O líder político Rogério Pitbull, de Bom Lugar, teve a candidatura a deputado estadual pelo PSDB indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) e deve indicar o filho para substituí-lo na disputa.

O tucano foi barrado por problemas com a Justiça Comum. Condenado em 2010 por estelionato e associação criminosa no Amapá, ele teve a pena de três anos e oito meses de prisão convertida, inicialmente, em prestação de serviços comunitários e, posteriormente, em pagamento de multa, dividida em 44 prestações mensais.

Ao pedir o registro de candidatura, Pitbull tinha acabado de quitar a 8ª parcela e, ao se dar conta de que não poderia ser candidato cumprindo pena, quitou toda a dívida em parcela única de R$ 54 mil, no dia 30 de agosto deste ano.

Mesmo assim, não conseguiu o deferimento do registro.

Segundo o TRE-MA, que acompanhou manifestação da Procuradoria Regional Eleitoral no Maranhão (PRE-MA), a inelegibilidade de oito anos decorrente da condenação por órgão colegiado, em casos que envolvam organização criminosa, só passa a valer após o cumprimento da pena.

“Portanto, considerando a extinção pena no dia 30/08/2018, o Impugnado está inelegível até o final de agosto de 2026”, decidiu nesta semana o juiz eleitoral Eduardo Moreira, em voto que foi acompanhado por unanimidade pelo plenário do TRE.

Baixe aqui o voto. (Por Gilberto Leda).

O Banco do Nordeste do Brasil, com o apoio do CEBRASPE, divulgou o edital do concurso para cargos de níveis médio e superior. São oferecidas 700 vagas, em sua maioria (692) para formação de cadastro de reserva, respeitando os devidos percentuais legais para candidatos com deficiência (5%) e para os candidatos negros (20%).

Cargos

Para o nível superior, as quatro vagas imediatas disponíveis e as 196 destinadas ao cadastro de reserva são para o cargo de especialista Técnico-Qualificador: Analista de Sistema.

O requisito necessário é: diploma de curso de graduação de nível superior em Ciência da Computação, Engenharia da Computação, Engenharia da Informação, Informática, Sistemas de Informações, Tecnologia da Informação, Processamento de Dados, Segurança da Informação ou Tecnologia em Telemática ou diploma de conclusão de graduação de nível superior em qualquer área de formação, acrescido de diploma/certificado de pós-graduação na área de Informática e (ou) na área de Segurança da Informação, com carga mínima de 360 horas/aula.

Os Especialistas contratados terão remuneração, durante o Contrato de Experiência, composta pelo vencimento do cargo, que é de R$ 3.705,88, acrescido de 1/3 de gratificação mensal, no valor de R$ 1.235,29, totalizando R$ 4.941,17. A jornada será de 30 horas semanais.

Após o término do Contrato de Experiência, com resultado satisfatório, o ocupante do cargo fará jus, além da remuneração inicial, a uma remuneração adicional do exercício de Função em Comissão, na forma da regulamentação interna.

Para o nível médio, além das quatro vagas imediatas, haverá um cadastro com 496 candidatos classificados. O cargo em disputa é o de Analista Bancário 1, cujo requisito essencial é o ensino médio médio completo.

A remuneração para os Analistas de nível médio será de R$ 2.854,68 (vencimento inicial de R$ 1.942,22, acrescido do valor de R$ 198,79 e da gratificação de 1/3 de R$ 713,67). Também cumprirão 30 horas semanais de trabalho.

Inscrições

As inscrições devem ser efetuadas no site do CEBRASPE entre 10 horas do dia 24 de setembro e 18 horas do dia 15 de outubro de 2018, observado o horário oficial de Brasília. O valor da taxa de inscrição é de:

  • R$ 59,00 para o cargo de nível médio;
  • R$ 67,00 para o cargo de nível superior.

O processo eleitoral brasileiro passa por contínuas mudanças, seja na parte relativa às leis que o regem, seja no tocante à administração dos pleitos, uma das atribuições do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Por esse motivo, os eleitores devem estar atentos para não se confundirem no momento do voto e aproveitarem ao máximo os aperfeiçoamentos tecnológicos desenvolvidos pela Justiça Eleitoral. Candidatos e partidos também devem ficar vigilantes, uma vez que são muitas as mudanças legislativas a serem aplicadas, pela primeira vez, nas eleições deste ano.

Veja a seguir algumas das principais alterações que vigorarão no pleito de outubro:

Eleitor

Neste ano, o eleitor terá que fazer seis escolhas na urna porque deverão ser preenchidas duas vagas no Senado Federal em virtude da renovação de 2/3 dessa casa legislativa. É importante ter cuidado no momento de digitar o voto na urna: se o mesmo voto para senador for digitado duas vezes, o segundo será anulado. O primeiro voto será o de deputado federal (quatro dígitos). Em seguida, deputado estadual ou distrital (cinco dígitos); senador 1, senador 2 (três dígitos para cada senador), governador (dois dígitos) e presidente da República (dois dígitos).

Foi ampliada a possibilidade de voto em trânsito, desde que a cidade onde o eleitor esteja no dia do pleito tenha mais de 100 mil eleitores. Se o eleitor comunicou à Justiça Eleitoral que estará fora de seu estado no dia da votação, poderá votar somente para presidente da República. Mas se estiver fora de sua cidade, mas no mesmo estado de seu domicílio eleitoral, poderá votar para os demais cargos: deputado federal, deputado estadual ou distrital, dois senadores e governador.

A tecnologia do aplicativo Pardal, que já estava à disposição para denunciar irregularidades em outras campanhas, foi aprimorada este ano. A nova versão apresenta as mesmas funcionalidades da anterior (2016), com algumas melhorias: reformulação da infraestrutura e atualizações tecnológicas para aperfeiçoamento da performance do programa; possibilidade de registrar denúncias também contra partido e coligação; e aprimoramentos do sistema de triagem das denúncias, a fim de facilitar o trabalho de apuração por parte dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) e do Ministério Público Eleitoral (MPE).

Outra inovação tecnológica é o aplicativo e-Título, que permite a qualquer cidadão portar o título eletronicamente. Para eleitores que fizeram o recadastramento biométrico, o e-Título aparecerá com foto, dispensando assim a apresentação de qualquer outro documento. Caso ainda não tenha feito a biometria, o eleitor pode utilizar o aplicativo, mas deverá apresentar um documento oficial com foto no momento de votar.

Outra novidade desta eleição é que pela primeira vez cidadãos transexuais e travestis puderam solicitar a inclusão de seu nome social no título de eleitor e no caderno de votação, atualizando assim sua identidade de gênero no Cadastro Eleitoral.

Candidatos e partidos

A eleição geral de 2018 será a primeira em que é permitido efetuar o impulsionamento de conteúdo na internet para fins eleitorais, desde que identificado de forma inequívoca e contratado exclusivamente por partidos políticos, coligações, candidatos e seus representantes, conforme determina a Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições) e a Resolução TSE nº 23.551/2017, que dispõe sobre propaganda eleitoral. A norma, porém, proíbe a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga na internet. Além do impulsionamento de conteúdo e controle de gastos, as alterações na propaganda eleitoral na internet preveem a proibição do uso de perfis falsos e robôs, responsabilização pela remoção de conteúdo e direito de resposta pelo mesmo meio utilizado para divulgar o conteúdo ofensivo.

Também entrou em vigor nas eleições deste ano uma forma de financiamento de campanhas com dinheiro público, por meio da criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), criado pela Lei nº 13.487/2017. Por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) e do TSE, os partidos deverão reservar o mínimo de 30% do dinheiro do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral para o financiamento de campanhas de candidatas do gênero feminino, bem como 30% do tempo destinado à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV será destinado a essas candidatas.

Duas formas de financiamento das campanhas eleitorais passaram a ser admitidas pela legislação: o crowdfunding (ou vaquinha virtual) e a comercialização de bens e serviços, com a possibilidade de realização de eventos pelo próprio candidato e pelos partidos políticos. Essa segunda modalidade contém três formas de financiamento já admitidas e supervisionadas pela Justiça Eleitoral (venda de bens, serviços e realização de eventos).

A novidade está no microfinanciamento das campanhas por meio da internet, que antes somente podia ser feito diretamente pelo candidato e pelo partido, sem auxílio das empresas e páginas especializadas nesse tipo de arrecadação. Com as novas regras, a intermediação passa a ser admitida, impondo-se a quem arrecada a obrigação de observar determinados requisitos que, em suma, garantem a transparência e identificação da origem do dinheiro recebido.

VP/RR

1 2 3 259