ASSASSINOS DO POLICIAL MILITAR WANDERSON EM DEPOIMENTO APÓS SEREM PRESOS, DÃO DETALHES DE COMO CEIFARAM A VIDA DO AGENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA

Comentários 0

Na noite de ontem (30), os dois indivíduos acusados de tirar a vida de um policial militar na cidade de Imperatriz (MA), no dia 23 deste mês, foram presos em Marabá, no Núcleo Morada Nova, à altura da ponte do Flexeira. A vítima em questão foi o PM Wanderson Monteiro dos Santos, de 27 anos, executado com um tiro em um dos olhos durante uma tentativa frustrada de assalto.

Um dos acusados foi identificado como Emerson Santos de Sousa, de 26 anos, que é foragido do sistema penal. O outro indivíduo diz ter apenas 17 anos de idade e confessou ter sido ele o autor do tiro que matou o policial.

De acordo com o investigador Moura, da Polícia Civil de Rondon do Pará, a prisão da dupla foi possível porque o Departamento de Homicídios de Imperatriz entrou em contato com a delegacia de Rondon informando que os dois acusados estavam em uma van na direção de Marabá. Mas a Van já tinha passado por Rondon quando ele recebeu a informação. Diante disso, a equipe seguiu para Marabá e, ao mesmo tempo, pediu apoio da Polícia Militar em Morada Nova, que montou uma barreira, que conseguiu localizar a Van e prender os dois acusados. Eles ainda estavam com a pistola ponto 40mm, municiada, que foi roubada do policial no dia do crime.

Confissão

De forma fria, os acusados confessaram toda a ação criminosa. Disseram que escolheram o alvo do assalto pelo Instagram da loja de celulares. Imaginaram que que não seria difícil assaltar o local que fica na Rua Paraíba, Bairro Juçara. Mas o que eles não sabiam era que no local havia um policial atuando como segurança no seu horário de folga. Foi aí que tudo deu errado.

O menor confirmou que matou o policial Wanderson quando este tentou impedir que eles assaltassem o estabelecimento. “Eu dei só um tiro”, relatou, ao ser questionado quantos tiros disparou na vítima. “Nós não sabia que tinha polícia lá dentro”, revelou o outro acusado.

Os dois contaram ainda que no assalto estavam com o revólver 38 usado para matar a vítima e um simulacro (arma falsa) e que fugiram levando a pistola do agente público, mas que jogaram o 38 (arma do crime) no rio.

Disseram que logo depois da fuga passaram em um mercado e compraram bolachas. Em seguida se esconderam na mata, perto da localidade conhecida como Embiral, onde passaram a semana toda comendo só os biscoitos que compraram. Já no dia de ontem os dois foram até o terminal de vans em Imperatriz e pegaram uma condução com destino a Marabá.

Acontece que câmeras de videomonitoramento já haviam identificado os dois acusados, pois o crime – ocorrido às 13h50 – foi todo filmado. Desse modo, quando eles passaram pelo terminal de vans foram filmados e reconhecidos algumas horas depois. Daí em diante se iniciou a caçada que culminou na prisão da dupla. ( Por: Chagas Filho e Josseli Carvalho)

Deixe uma resposta