BACABALENSE É MORTO EM CURITIBA, PR. A FAMÍLIA PEDE AJUDA PARA O TRANSLADO DO CORPO

Comentários 0

O bacabalense  Valdemir da Rocha Gomes, de 36 anos foi encontrado morto dentro de uma chácara no bairro Lamenha Grande, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, na manhã da última quarta-feira (1º). A vítima passava alguns dias no local enquanto trabalhava como pedreiro para os donos da chácara. A Polícia Civil tem uma linha de investigação, mas prefere manter em segredo.

O crime aconteceu em uma chácara no final da rua Francisco Borges, próximo da Kabel. O dono do local encontrou Valdemir morto e acionou a polícia. Os policiais estiveram no local e disseram que o assassino usou uma arma de fogo para cometer o crime.

“Ele estava fazendo um serviço para o pessoal da casa e pelo que consta ontem, por volta das 23 horas, foi visitado por uma pessoa, que teria atirado contra ele”, disse um dos policiais.

A perícia constatou que a vítima foi atingida por dois disparos de pistola. “Provavelmente o chamaram na porta, a luz ficou acessa, quando ele foi atender, aconteceram os disparos e ele morreu na hora”, completou o investigador.

O portão da chácara fica aberto e não há sinais de arrombamento. A hipótese é que o assassino conhecia a vítima, embora a linha de investigação seja traçada, agora. “Ele tem um boletim de ocorrência de 2018, que pode nos indicar algo. É uma ameaça, mas é prematuro falar, ainda”, finalizou o investigar.

IML

O corpo do pedreiro foi recolhido ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, onde consta como não reclamado pela família. A Polícia Civil investiga o caso.

Valdemir da Rocha Gomes era neto de Pedoca, dirigente da Assembleia de Deus que foi vítima de latrocínio em 2009, no povoado Plameiral, município de Bacabal, crime que tem como suspeito uma pessoa conhecida por Jadson Ribeiro e causou grande comoção em toda a cidade.

A família de Valdemir está precisando com urgência da colaboração de todos para que o corpo do ente querido seja transladado para a cidade de Bacabal e assim possa ser enterrado dignamente. O translado custa algo em torno de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) e a ajuda pode ser creditada nas seguintes contas:

Banco do Brasil

Agência: 0528-2

Conta corrente: 58214-X

Em nome de  Kelijane da Rocha Gomes (irmã)

Caixa Econômica Federal

Agência: 0764

Operação: 013

Conta poupança: 2915-3

Em nome de Luísa da Rocha Gomes (mãe)

Mais detalhes com o âncora Romário Alves, programa Bandeira 2 (TV Difusora/Bacabal), de segunda a sexta-feira, às 06h45.

Deixe uma resposta