CONTRATOS E SALÁRIOS SUSPENSOS DEIXAM PROFESSORES DESAMPARADOS NO MEIO DA PANDEMIA EM JOSELÂNDIA

Comentários 0

Vários professores entraram em contato com a redação do Blog, desde a semana passada, para reclamar da Prefeitura Municipal de Joselândia, que através da Secretaria Municipal de Educação, informou que irá suspender os contratos dos educadores contratados a partir deste mês por conta da pandemia do coronavírus.

Além de receberem a péssima notícia de que não receberão mais os salários neste mês de maio, os professores foram informados ainda que irão receber, de agora em diante, apenas os pagamentos que estavam em atraso, correspondentes aos meses de março e abril.

“Tivemos uma reunião com a Secretária de Educação e disseram que vão pagar os meses de março e abril. Acontece que acabaram com o contrato dos professores e sequer pagaram direito os meses atrasados. Até onde eu sei, muitos profissionais não podem fazer nada pois tem medo. Aqui tudo é política”, informou uma professora que não quis ser identificada.

Desde o dia 1º deste mês os professores contratados não estão mais vinculados ao município. As aulas também estão suspensas por tempo indeterminado em decorrência da Covid-19 e durante esse período, os docentes contratados ficarão desamparados e sem nenhuma garantia.

Ainda de acordo com informações relatadas, a Secretaria Municipal de Educação informou aos professores contratados, que os mesmos receberão apenas 40% de salário referente ao mês de abril, o que piora ainda mais a situação dos educadores nessa pandemia.

“Entrou tanto dinheiro para esse pessoal, e eles ainda suspendem nossos contratos. Além disso, o mês de abril só será pago em 40% do valor total. O que é uma falta de respeito com todos nós, esses são os que dizem estar preocupados com a educação”, afirmou outra professora.

A ausência de renda para os profissionais pelo tempo indefinido de duração da pandemia os coloca em risco de sobrevivência. Muitos afirmam que, nesse momento delicado, não há espaço para ações extremas do tipo e exigem o pagamento devido pelos seus serviços.

O caso deve ser investigado pelo Ministério Público no intuito de impedir que esses profissionais, pais e mães de famílias, não fiquem desamparados no meio dessa pandemia. (Por Carlinos Filho).

Deixe uma resposta